Seguidores

quinta-feira, 27 de março de 2014

Medo de Rejeição

Mais uma participação minha, dessa vez na Revista Medicina Social (jan/fev/mar)



Medo de rejeição
“O temor da reprovação, quando positivo, faz com
que a pessoa se prepare, estude e se aprimore” (Psicóloga e Psicopedagoga Regina Deichmann Ferrarezzo)



Tolerar situações desagradáveis, sem dizer nada, pode ser mais prejudicial para a saúde, o bem-estar e até para os relacionamentos que expor uma opinião.
Para o terapeuta holístico André Lima, aqueles que preferem ficar calados receiam que o outro, ao demonstrar não gostar de suas atitudes, esteja sugerindo que elas não tenham valor e, por isso, são indignos de receber amor. “O medo de reprovação tem a ver com o medo de ser rejeitado e, por isso, as pessoas estão sempre buscando reconhecimento e aprovação”, diz. Lima ministra treinamentos voltados para o desenvolvimento pessoal e profissional com base em uma técnica criada pelo psicólogo norte-americano e estudioso de acupuntura e cinesiologia Roger Callahan, chamada Emotional Freedom Techniques (EFT). O método consiste no desbloqueio dos canais energéticos, que são chamados de meridianos, enquanto a pessoa se sintoniza em um problema emocional ou físico. Os meridianos são os mesmos estudados pela acupuntura. Para ele, existem níveis de intensidade do medo de rejeição e da busca por aprovação e reconhecimento.
“Quanto mais baixa a autoestima, mais intenso tende a ser o medo da reprovação, que pode se manifestar não só pela dificuldade em expressar opiniões como também pelo medo de fazer perguntas em sala de aula, falar em público ou pelo desconforto ao ser o centro das atenções. Também pode ser revelado pela necessidade de agradar os outros e de impor limites; de levar tudo para o lado pessoal; pela preocupação excessiva com a aparência; ou, ainda, pela necessidade de se defender ou de provar o contrário.”
“A opinião dos outros a seu respeito só o incomodará se você estiver com a autoestima baixa. Do contrário, quando a sua autoestima está elevada, os níveis de autoaceitação e autoaprovação também são altos e, por isso, opiniões de terceiros terão pouco ou nenhum poder sobre o seu estado emocional”, acrescenta.
Por outro lado, a psicóloga e psicopedagoga Regina Deichmann Ferrarezzo relata que o medo da reprovação também pode ser positivo. Neste caso faz com que a pessoa se prepare, estude e se aprimore. Ela explica que, quando a pessoa não consegue realizar tarefas ou sonhos, é porque desenvolveu um medo patológico que é, na verdade, um estado emocional pessoal. “O medo patológico pode se manifestar em razão de uma situação de estresse ou de ansiedade excessiva, por exemplo. Pode também ser oriundo de uma situação traumática vivenciada anteriormente, como um assalto”, diz. A psicóloga também afirma que a pessoa com medo pode desenvolver doenças como gastrite, depressão e transtorno do pânico. Em um ambiente de trabalho terá dificuldade em lidar com os colegas e se impor, além de demonstrar dificuldade em lidar com figuras de autoridade, expor pensamentos, opiniões e projetos. O medo patológico, no entanto, pode ser tratado. Segundo Ferrarezzo, para que isso seja possível, a pessoa precisa, antes de tudo, ter consciência de que esse medo está acarretando prejuízos e precisa ser transformado em medo positivo. Ela conta que seu trabalho visa, inicialmente, fortalecer a autoestima da pessoa, controlar sua ansiedade, realizar treinos para domínios das emoções e do corpo, para que possa se sentir segura e se preparar para enfrentar problemas de maneira saudável.
A psicopedagoga Lucy Duró, da Evoluir Educacional, empresa que dá suporte didático-pedagógico para o profissional de educação, retrata, contudo que, apesar de o medo ser uma defesa do organismo, que tem como objetivo afastar a pessoa do perigo, ele não é uma patologia e, por isso, não se pode falar em cura. “Na medida em que a pessoa se afasta daquilo que a coloca em risco, não sentirá mais medo. Contudo, dependendo da situação, o medo poderá suscitar um impacto psíquico como um trauma que possibilita desencadear futuras psicopatologias”, diz, ao frisar que cada caso tem suas particularidades que devem ser consideradas pelo profissional responsável por avaliar e determinar o tipo e o tempo de tratamento indicado.
Na visão de Cássia Solange de Oliveira Lourenci, consultora de Recursos Humanos da 4People, empresa de serviços na área de formação e consultoria empresarial, a baixa autoestima e a falta de confiança podem surgir em qualquer etapa da vida, mas em geral aparecem na infância ou adolescência, fases em que a personalidade das pessoas é construída. “Elas atrapalham todas as relações de uma pessoa, pessoais e profissionais, e, portanto, podem impedir um crescimento na carreira.” Ela explica que em coaching não se fala em cura, mas em eliminar ou minimizar o sentimento de constrangimento que impede as pessoas de alcançarem os seus objetivos. “Contribuímos para o desenvolvimento da competência necessária para istopor meio da mudança de paradigma e hábitos”, diz.  
(Renata Bernardis – revista Abrange, medicina social de grupo – Jan/Fev/Mar 2014, paginas 22 e 23)






3 comentários:

  1. Olá Regina, vim retribuir sua visita, adorei, seja bem vinda sempre!! Obrigada. Já estou seguindo o seu com conteúdos maravilhosos, parabéns!!
    Querida, tentando ajudar quem está com problema para seguir os blog, fiz uma postagem simples, espero ajudar, se desejar da uma passadinha lá. Bjuss fica na paz de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Só rejeitada pelo meu pai e cada dia me sinto pior

    ResponderExcluir

Deixe seu recado, sugestão de post!
Obrigada!

Voltar ao topo